Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma mãe atrapalhada 2: O Meu Menino Talismã

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial com autismo e um raro síndrome de deleção 18P

Crónicas de uma mãe atrapalhada 2: O Meu Menino Talismã

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial com autismo e um raro síndrome de deleção 18P

Não, eu não romantizo o autismo!!!!!

Há dias que tenho os braços cheios de nódoas negras, já estive com marcas de dentadas que deixaram feridas. Já passei pela fase em que perguntava ao meu filho, onde está a mamã e ele simplesmente ignorava. Já passei pela fase em que ele não dizia uma única palavra. Já fui olhada de lado pelas mães perfeitas (perfeitas ignorantes isso sim) que me diziam que eu não dava educação ao meu filho, quando eram os delas que batiam no meu e aproveitando-se de ele não falar iam fazer queixinhas que o meu lhes tinha batido.

Já passei pela fase em que suspeitei que alguma coisa com o meu filho não estava bem e ninguém acreditou. Já passei pela fase em que pensei que o meu filho me ia deixar de abraçar, de olhar, de beijar. Já passei pela fase em que pensei ele nunca mais ia dizer o som que o meu coração mais ansiava: Mamã! E já nem pedia um: Gosto de ti, mamã. Passei pela fase de não ter forças (e às vezes ainda passo) de o arrancar do chão, com as pessoas que não têm mais nada para fazer na vida, a julgar-me e a criticar-me.

 Já passei pela fase do choro, do desespero, do eu não sou capaz. Já passei pelo desespero de pensar que eu nunca ia conseguir que ele largasse a fralda. As noites em claro e em silêncio a chorar, e m busca de onde tinha errado.  Não tinha vontade de sair à rua nem paciência para falar com ninguém. E depois descobri que focar-me no: eu não sou capaz, no desespero e na derrota não me iriam levar a lado nenhum.

 Passei a focar-me na solução e não no problema.  A frase que ecoava na minha cabeça era: “O verdadeiro amor supera todas as barreiras e vence tudo”.

Cada vez que o meu filho me mordia, me arranhava, me pontapeava, eu agarrava-o e de início ele resistia. Mas eu não desistia. Eu abraçava-o, eu dava-lhe beijinhos, hoje ele adora abraçar e dar beijinhos.  

Mas às vezes os meus braços ainda ficam negros e eu ensino que não, não se faz, porque doi e ele diz “desculpa” e dá beijinhos.

Escolhi não olhar só a parte negativa e celebrar cada pequena vitória como a maior conquista do mundo. Escolhi o enfrentar o não e fecharem-me as portas quando procurei um ATL para o meu filho, e alguns diziam que não tinham vaga ou ligavam à tarde ou no dia seguinte e nunca ligaram, mas escolhi não desistir e continuar a bater às portas. E quando fiz isso encontrei pessoas fantásticas que me disseram sim, sem reservas sem preconceitos. E fizeram um trabalho fantástico com ele.

Escolhi mudar, aceitar e olhar o futuro com os pés no chão, mas com fé na luta pela sua evolução. Escolhi trilhar o caminho da esperança, por ínfima que fosse e nesse caminho tenho encontrado pessoas fantásticas, que quiseram ajudar-me a olhar o futuro com esperança.

Escolhi expor-me e enfrentar o preconceito. Sim, o meu filho é uma criança com autismo e eu tenho muito orgulho nele, porque sei o quanto ele luta todos os dias para chegar onde os outros chegam sem luta.

E aos poucos a minha luta foi recompensada, o meu filho diz mamã na perfeição e esse é  o melhor e mais maravilhoso som do mundo para mim: a voz do meu filho a dizer Mamã!!!!!

Não eu não romantizo, o autismo. O autismo é luta, isolamento, sofrimento. É sentirmo-nos como o D. Quixote de La Mancha a lutar contra os moinhos de vento. Enfrentar o autismo é duro e o autismo de regressão é um murro no estômago, há dias muito difíceis e coisas que só quem passa pelo mesmo entende.

 Não eu não romantizo o autismo, só escolhi olhar para ele de outro ângulo, trilhar o caminho da esperança e focar-me nas conquistas.

 

5 Grasnados

  • Imagem de perfil

    Mamã Gansa 24.08.2019

    Boa! Conheço a tua página do Insensato, mas não sei se conheço a da Educação, manda-me o link para eu adicionara os favoritos da minha.
  • Sem imagem de perfil

    P. P. 24.08.2019

    Está no cabeçalho do blogue. Iniciei-a quando estive na Unidade, mas depois reparei que, na Escola, a divulgação das atividades com os nossos rapazes com PEA, a abordagem de outros conteúdos para pais e educadores, e que tanta investigação requeriam não era valorizada. Nem 1h tinha para esta atividade!!! Já para reuniões estúpidas e sem nexo...
    A certo ponto decidi deixar de ser escravo. Terminei o trabalho escravo no blogue, mas mantive a página. No blogue não mais pegaram 😢 Penso que se chamava Um Só Mundo, aqui no Sapo.
    A página é https://www.facebook.com/umsomundo
    Sabes acompanhar outras páginas desde a tua no Fb? É que eu não sei! 😔
    Bjs
  • Imagem de perfil

    Mamã Gansa 24.08.2019

    Obrigada. Andei à procura e não encontrei. Sim sei seguir outras páginas a partir da minha. Vou tentar fazer uma mini tutorial e envio-te por mail.
  • Sem imagem de perfil

    P. P. 25.08.2019

    Obrigado, Flora.
    No menu superior do meu Insensato tens, entre outras, Educação. Passas levemente o cursor e surge "1 só mundo" (é aqui que deves clicar) e "educação" (etiqueta para agrupar o que escrevo acerca de educação) 🙏🏽
  • Grasnar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.