Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma mãe atrapalhada 2: o nosso anjo azul

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial e as suas peripécias.

Crónicas de uma mãe atrapalhada 2: o nosso anjo azul

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial e as suas peripécias.

Miguel Kastroh - O coração azul#1

Como perceber o autismo? Entrando no seu mundo. E foi nesse sentido que comecei a perticipar de vários grupos de familiares e cuidadores de autistas e  alguns são mesmo administrados por autistas diagnosticados em idade adulta.

O MIguel Castro ou Kastroh (como se apresenta no facebook)  é um jovem brasileiro de 12 anos, autista de grau leve.Para quem não conhece a história do Miguel, eu resumo. No Natal de 2018 num dos grupos de autismo em que participo, uma mãe partilhou chorosa a carta escrita pelo seu filho ( o Miguel) ao pai Natal. Nessa carta a única coisa que o Miguel pedia ao pai Natal era AMIGOS para brincar no recreio.  A mãe criou-lhe um perfil no facebook para quem quisesse ser seu amigo.. Mães como eu imediamente lhe pediram amizade e partilharam a carta que se tornou viral, chegando a alguns programas de Televisão. Desde aí o Miguel teve que ter dois perfis no Facebook porque excedeu o limite de amigos e tem também um canal no youtube com o seu irmão gémeo. O Miguel é um artista desenha linda mente e escreve muito bem.Ele publicou este texto que lhe pedi para partilhar que explica muito bem o que é o autismo para ele.

"O que é ser diferente pra mim
É ouvir os sons com mais intensidade que as outras pessoas e isso faz com que me sinta desorientado e confuso.
É querer conversar com as pessoas coisas que são do meu interesse é elas não estarem com vontade de me ouvir.
É querer ficar andando de um lado para o outro ou ficar mexendo minhas mãos para me acalmar.
É querer ficar quieto e sozinho as vezes para que meus pensamentos não venham todos de uma vez só.Pois sinto como se tivesse dez televisores dentro da minha cabeça e que todos eles estão ligados ao mesmo tempo só que em canais diferentes e eu não consigo desligá-las.
É sentir uma tristeza enorme dentro do meu coração e um tempo depois me sentir muito feliz.
É não entender porque muitos colegas estão ao meu lado todos os dias e não gostam de mim é pessoas que nunca me virão me mandam tantas mensagens de carinho.
É me sentir no meio de um furacão de sentimentos e emoções que não consigo entender e nem explicar para a minha mãe.
É estar ao lado de várias pessoas e ao mesmo tempo se se sentir como uma estrela sozinha no céu.
É querer muito um abraço mas me sentir incomodado quando me tocam.
É não gostar de gritos e barulhos altos mas amo ouvir música para me acalmar.
Por ser diferente precisei da ajuda do papai Noel para ganhar amigos e ele me deu muitos amigos.
Deus me mostrou que ele me fez diferente para me mostrar que nesse mundo existem pessoas além da minha família que me amam e me aceitam do jeito que eu sou
Que mais pessoas amem as outras sem se importarem com as diferenças.
Minha mãe sempre me diz que eu sou super especial justamente por ser diferente. "
Miguel Castro "

Com a autorização de Miguel Castro .

O Miguel dá voz a muitos meninos, meninas  e jovens como ele. Partilho na esperança que os pais de hoje edquem os filhos para brincarem com todos os meninos e meninas sem preconceitos.

 

Corações azuis

O que são os corações azuis?  São os corações das mães  que lutam para que os seus filhos tenham uma vida melhor . São as crianças e jovens que cresceram num mundo à parte, no mundo do autismo. São jovens e adultos que sempre sentiram que não se encaixavam nas regras rígidas da sociedade e ao fim de anos de luta tiveram o diagnóstico de Autismo. Corações azuis são também todos os aqueles que ajudam a tornar o mundo melhor com gestos simples de Solidariedade e  inclusão.  Corações azuis são também todos os os que lutam para superar barreiras na sua vida. É a todos eles que pretendo juntar a minha voz e dar-lhes voz. Estejam atentos pois a primeira publicação desta rubrica está prestes a sair.