Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma mãe atrapalhada (2ªParte)

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial e as suas peripécias.

Crónicas de uma mãe atrapalhada (2ªParte)

Um dia escrevi sobre as aventuras e desventuras das delícias da maternidade e do milagre da vida! Este é a continuação dessas aventuras com um menino especial e as suas peripécias.

Playmoblog

Bem vou voltar à carga, porque da última vez  não resultou, talvez tenha feito o post tarde demais venho convidar-vos a conhecer o Playmoblog e não não se trata de publicidade da marca, nem é um patrocínio da marca, se  bem que se calhar até o era merecido. Com os brinquedos da Playmobil , a  autora vai criando cenários e as resptivas histórias. Creio que vale a pena espreitar..

 

Então fica aqui o convite para a Follow Friday de hoje venham visitar o Playmoblog.

Cafovo!

Hot Dogs Clipart art 23 - 1280 X 1300

 

 

Chego ao pé dos dois, (Gonçalo e Bá) e pergunto primeiro à Bá.

-O que queres comer ovos mexidos ou Cachorro quente?

A resposta é a esperada

-Cachorro.

Sem grandes esperanças de obter resposta pergunto o, mesmo ao Gonçalo que está ver os seus vídeos no Tablet. Sem tirar os olhos do Tablet estica à mão na minha direção e responde com rapidez:

- Cafovo!!!

 

Saíram dois cachorros quentes para o lanche dos Gulosos.

 

Estivemos nos Quentes

Um desabafo sobre os dias dificeis levou-nos a um lugar nos blogs quentes. Espero qu um dia sejam as pequenas vitórias que rlato que nos levam aos blogs quentes. De qualquer das formas foram as manifestações de solidariede que levaram este blog aos quentes e isso sem dúvida é positivo.

 

 

 Imagem retirada da net com link de referência

HÁ DIAS DIFÍCEIS!!!

Há dias difíceis em que ele não me deixa fazer nada sem que nos desgastemos os dois. Há dias que o vestir e a rotina normal de higiene parecem uma guerra. Em que os gritos de fúria dele me ferem a alma. Dias, em que o simples ato de o vestir e calçar me deixam cansada para o resto do dia. Dias em que a frustração me vence e me tolda.

Dias em que as lágrimas de frustração e de revolta tentam brotar sem que eu lhes tenha dado autorização. Há dias em que a única coisa que queria era pegar nele, ir pra uma ilha deserta e sermos os dois tão felizes como as tribos nativas, sem pessoas que se pensam superiores á nossa volta para nos julgarem.

Há dias negros em que a frustração vence o sonho como a tarde em que tentei que apenas colasse as imagens no livro da História que ia contar e ele não quis e parecia que o estava o torturar a ele e a mim e ficámos os dois em lágrimas.

 

Há dias em que queremos ver uma luz ao fim do túnel, mas só vemos a escuridão.

Há dias em que me pergunto, porque é que entre tantas consultas pediatria e psicologia me perguntaram tanta coisa, mas nunca ninguém perguntou e os pais como estão, como se sentem?  Precisam falar com alguém? Têm onde se apoiar?

 Dias me que me pergunto como é possível ignorar o bem-estar dos cuidadores durante todo o processo.

 

Há dias difíceis, tão difíceis em que contra todas as expetativas, é o amor do meu filho é o sorriso e a forma pura, de ser estar do meu filho que me dá alento.

Há dias mesmo muito difíceis …

 

 Nota: Este texto não se refere ao dia de hoje em especial, mas aos dias e momentos em que as forças me faltam.

Pág. 1/3